Juventude ativa!

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

 
Algumas curiosidades bíblicas
 
A equipe do blog Juventude Ativa pede desculpas pelo equívoco feito nesta postagem e agradece ao blog Redemptionis Sacramentum por nos indicar tais erros.
 
Gabriel Pinheiro
Colaborador

13 comentários:

  1. A Paz de Cristo.

    Li este artigo e quase caí da cadeira... rsrs.

    Existem vários equívocos e erros neste artigo. Vejam:

    1)"- No ano de 1250 o cardeal Caro dividiu a Bíblia em capítulos, que foram divididos em versículos no ano de 1550, por Robert Stevens."

    Errado.

    O correto: Em 1214, o cardeal Estêvão Langton, professor em Paris e depois arcebispo de Cantuária, dividiu o texto bíblico em capítulos. O dominicano Sante Pagnini, em 1528, dividiu os capítulos do AT em versículos. O NT foi dividido em versículos em 1551 por Roberto Estêvão.

    2) "- O Antigo Testamento foi escrito em hebraico, com exceção de algumas passagens em Esdras, Jeremias e Daniel que foram escritas em aramaico.

    - O Novo Testamento foi escrito em grego"

    Errado.

    O correto: Sobre o Cânon -

    Os primeiros escritos pertencentes ao Livro Santo, são datados do início do Século XIII a.C, Moisés foi o primeiro a registrar as tradições orais daquela época. Isso se deu com muita dificuldade pois a técnica de escrita era muito cara. Aos poucos, outros escritos foram agregados aos já existentes e assim se formou a biblioteca Sagrada de Israel.

    No inicio do século I de nossa era surgiram os escritos cristãos como sendo uma continuação dos escritos judaicos, mas os judeus, não aceitando Jesus Cristo como seu Senhor e Salvador, rechaçaram os escritos cristãos e definiram alguns critérios no Sínodo de Jamnia (por volta do ano 100 d.C) para que as escrituras fossem aceitas como inspiradas:

    - Só escrito em língua hebraica;
    - Não poderia ter sido escrito depois de Esdras;
    - Só poderia ter sido escrito na Palestina;
    - Não contradizer a Torá ou a Lei de Moisés.

    Ou seja, conforme os fatos acima citados foi por motivo político e não de fé efetivamente, tendo em vista que os judeus utilizavam textos dos deuterocanônicos em celebrações festivas de seu povo. Os deuterocanônicos, são livros em grego do Antigo Testamento, que por essa razão e de acordo com as regras do sínodo de Jamnia foram excluídos do Cânon da Palestina.

    Acontece que havia uma próspera colônia judaica em Alexandria que lendo e falando grego, traduziram os escritos hebraicos e agregaram os livros excluídos pelo Cânon da Palestina que conhecemos por Deuterocanônicos. São eles: Tobias, Judith, Ester, 1 e 2 Macabeus, Eclesiásticos (ou Siracides), Sabedoria e Baruc.

    Assim, passou a existir dois cânones, um judaico restrito e o de Alexandria, mais amplo.Um detalhe importante e que confirma a veracidade dos livros deuterocanônicos, é que os evangelistas ao fazer citações do Antigo Testamento no Novo, utilizavam a versão grega, mesmo quando esta se apresentava diferente da versão judaica. Ao longo do Novo Testamento são feitas em torno de 350 citações do Antigo Testamento e muitas delas são citações implícitas dos livros deuterocanônicos.

    Os Protestantes, por um período utilizaram a Bíblia Palestina, mas no intuito de afrontar o catolicismo, Lutero retirou esses sete livros pelo fato de conter doutrinas que a Igreja Católica adotou (por obediência a Deus) mas que são contestadas por protestantes. Vide a questão do Purgatório.

    Por fim, convém dizer que a Igreja Católica nunca alterou uma virgula da Sagrada Escritura, pelo contrário, muitos deram suas vidas, derramaram seu sangue para proteger a Bíblias das heresias. Portanto, no AT existia o grego, e não somente o hebraico.

    ResponderExcluir
  2. 3) "- Martinho Lutero foi o primeiro tradutor da Bíblia para a língua do povo alemão."

    Errado.

    O correto: Antes que Lutero fizesse sua tradução alemã, já haviam dezessete traduções alemãs já impressas, doze destas no dialeto do baixo-alemão, para o povo (todas antes de 1518).

    O próprio Lutero disse:

    “foi um efeito do poder de Deus que o papado preservou, em primeiro lugar, o santo batismo; em segundo, o texto dos Santos Evangelhos, que era costume ler no púlpito na língua vernácula de cada nação…” (De Missa privata, ed by Jensen, VI, Pg 92).

    Só no ano de 1524, apareceu a bíblia protestante, vertida por Lutero, quando já eram 30 as traduções católicas na Alemanha. Isso acaba com a calúnia protestante, de que Lutero foi quem primeiro traduziu a bíblia do latim para o alemão. Fontes:(Imperial Encyclopedia and Dictionary © 1904 Vol. 4, Hanry G. Allen & Company), ( Holman Bible Dictionary © 1991).

    A PRIMEIRA VERSÃO ALEMÃ: A história da pesquisa Bíblica mostra, que as numerosas versões parciais no vernáculo na Alemanha já aparecem nos séc. VII e VIII. Também há abundância dessas versões nos séc. XIII e XIV, e uma Bíblia completa no séc. XV, antes da invenção da imprensa. (The Catholic Encyclopedia, Volume XV Copyright © 1912).

    1466 D.C. A PRIMEIRA BÍBLIA IMPRESSA EM ALEMÃ: Isto foi cinqüenta oito anos antes de Lutero fazer sua Bíblia alemã em 1524. Nestes cinqüenta e oito anos os católicos imprimiram 30 diferentes edições alemãs da Bíblia. (Holman Bible Dictionary © 1991)

    “O Catolicismo Romano tem um alto respeito pelas Escrituras vendo nelas uma fonte de conhecimento… De fato, o ensinamento oficial da Igreja Católica acerca da inerrância e inspiração das Escrituras satisfariam o mais rigoroso dos fundamentalistas protestantes.” { Robert McAfee Brown, The Spirit of Protestantism, Oxford: Oxford Univ. Press, 1961, pp. 172-173}.

    “Nunca houve um tempo na História da Igreja ocidental durante a Idade “Média”, ou das “Trevas”, em que as Escrituras foram oficialmente degradadas. Ao contrário, elas eram consideradas infalíveis e inerrantes, e mantidas na mais alta honra.” {Peter Toon, Protestants and Catholics, Ann Arbor, MI: Servant Books, 1983, p. 39}.

    “A visão expressa por Agostinho foi a visão crida e propagada pela Igreja Católica no decorrer dos séculos… Pode-se dizer que a Igreja Romana, por mais de mil anos, aceitou a doutrina da infalibilidade de toda a Escritura… A Igreja (através dos Padres, teólogos e papas) ensinou a inerrância bíblica… A Igreja Romana manteve uma visão das Escrituras que em nada difere daquela tida pelos Reformadores”. {Harold Lindsell},

    Os protestantes precisam combinar melhor as mentiras que andam espalhando, pois os próprios protestantes mais sérios as desmascaram facilmente.

    Veja, agora, um trecho católico anterior à Revolta protestante, que, no meu entender, seria suficiente para encerrar a questão:

    “Todos os cristãos devem ler a Bíblia com piedade e reverência, rezando para que o Espírito Santo, que inspirou as Escrituras, capacite-os a entendê-las… Os que puderem devem fazer uso da versão latina de São Jerônimo; mas os que não puderem e as pessoas simples, leigos ou do clero…devem ler a versão alemã de que agora se dispõe, e, assim, armarem-se contra o inimigo de nossa salvação” (The publisher of the Cologne Bible [1480] ).

    Veja no texto histórico acima, datado de 1480, mais uma prova de que já havia para o povo, as traduções católicas alemãs. Pois bem, faltavam 03 anos para Lutero nascer. Nasceria em 1483.

    Como você vê, o argumento protestante, é não somente falso, mas não possui nenhum embasamento histórico.

    ResponderExcluir
  3. 4)"- No livro de Ester e no livro de Cantares não se encontra a palavra Deus."

    Uma mentira sem cabimento.

    O correto: (Ester 10,9)
    Minha nação é Israel que invocou o Senhor e que foi salva; porque o Senhor salvou seu povo e nos livrou de todos esses males. Deus fez prodígios e maravilhas, como não fez semelhantes entre todas as nações. (Ester 10,10)
    Porque Deus preparou dois destinos: um para seu povo e outro para todas as nações.

    E muitos outros...

    Fontes:
    Catequese Católica: http://www.catequisar.com.br
    Editora Cléofas: http://www.cleofas.com.br
    Eu Creio: Catecismo Católico. Fundação Ajuda à Igreja que Sofre. Lisboa – Portugal.
    DROBNER, Hubertus R. Manual de Patrologia. Petrópolis, RJ: Vozes, 2003.
    BATTISTINI, Frei. A igreja do deus vivo: Coluna e fundamento da verdade : curso bíblico popular sobre a verdadeira igreja. 33. ed. Petrópolis: Vozes, 2001.
    FONSATTI, José Carlos. Introdução à Bíblia. 4. ed. Petrópolis: Vozes, 2005.

    ResponderExcluir
  4. Agora uma pergunta aos autores do Blog: Por que estão utilizando fontes protestantes para vossos posts? Não sabem que essas fontes ensinam o erro? Eu só citei alguns exemplos. Tem muitas outras coisas que eu poderia colocar a mais aqui. Mas fica como reflexão. Se este grupo é realmente Católico, por que buscar lá fora coisas que não são verídicas? Creio que nossa Igreja tem uma infinidade de fontes ricas e esclarecedoras, e buscar heresias, pode levar os leitores à confusão.

    Fiquem com Deus!

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  6. Eu que postei esse artigo! Enfim entao eu mesmo respondo por ele. Meu querido(a) vc nao dita as regras de um colabrorador desse site! Nao pedimos que fizeste uma pesquiza e comparace o conteudo!

    abraço!

    ResponderExcluir
  7. Ok, já respondeu minha dúvida. Ainda cheguei a pensar que era inocência mesmo... Mas pelo teor da resposta vi que é desonestidade intelectual, e de quebra apologia ao protestantismo. Em nenhum momento quis ditar regras para este blog, mas pela lógica, se espera que um blog católico use fontes católicas, e não heresias que ajudam a afundar a fé católica. Ja dá pra perceber até que ponto chega o relativismo no meio "católico self service". Ah ta, nem sabem o que é isso mesmo, né...

    ResponderExcluir
  8. Realmente, copiei todo o artigo e joguei no google, e só entrou em sites evangélicos, inclusive tinha uns dois que denegriam nossa Igreja. Concordo com a pessoa acima [Redemptionis], porque além de verificar esse erro, colocou aquilo que estava certo, e com fontes católicas ainda. Poxa Will, não precisava deste destempero.

    ResponderExcluir
  9. Marcela o destempero meu foi pelo destempero do proximo que nos dois comentarios foi agressivo e autoritario!
    Eu aceitaria e aceito toda correçao caso fosse aplicado de forma educada e culta!

    Pois isso acontece ,de um erro ser postado e ser corrigido pelo leitor!

    Enfim talves temos tido uma mal interpletaçao de ambas a parte que nao vale a pena tal discussao!

    Abraços !

    ResponderExcluir
  10. Bom, li as duas partes, e não vi agressividade e autoritarismo no comentário do Redemptionis. Até posso entender a reação negativa do autor do "re-post protestante", por se tratar de uma correção, porque isso é natural do ser humano. É difícil para pessoa reconhecer que errou, ainda mais quando é posto a público . Tenho 30 anos, e quando era pequeno, eu errava, ou fazia algo de errado, meu pai me batia. Quer algo mais agressivo e autoritário que isso? Hoje louvo a Deus por isso, pois a correção me tornou um homem íntegro, honesto e temente a Deus. Mas é muito mais louvável e digno a correção do que o erro. Nada justifica o erro. Nada. É de bom tom que as pessoas antes de publicar algo, tenham certeza, estudem a doutrina, e saibam realmente do que estão falando.

    ResponderExcluir
  11. "Ja dá pra perceber até que ponto chega o relativismo no meio "católico self service""

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Show, brother... Ri litros aqui... rsrs... Nunca tinha ouvido essa expressão... Mas pela lógica, já percebi do que se trata... Parabéns.

    ResponderExcluir
  12. Pow, nada a ver o pití do Will... ta precisando aprender muito, fera... rs. E usar a caridade tambem ;)

    ResponderExcluir
  13. Como colaborador peço desculpas em nome de toda a equipe pelo erro e reconheço que o texto contém vários equívocos.

    O conteúdo do texto foi todo removido e novamente peço desculpas pelo erro.

    ResponderExcluir